Mercado Brasileiro de Fertilizantes

  
Home A Heringer ATUALIZADO EM 6 DE SETEMBRO DE 2013

Visão Geral do Agronegócio no Brasil

O Brasil possui aproximadamente 340 milhões de hectares de terras agriculturáveis, sendo que desse total, 72 milhões (21%) são para o cultivo da lavouras anuais e perenes e 172 milhões (50%) de hectares são pastagens, (segundo dados do Ministério da Agricultura), além de clima diversificado, chuvas regulares, energia solar abundante e quase 12,0% de toda a água doce disponível no planeta. Somado a isto, o país possui excelentes condições no desenvolvimento do agronegócio, que é hoje uma das principais locomotivas da economia brasileira.

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio foi de 3,9% em 2011 e em 2012 foi negativo em 2,3, basicamente em função da seca no sul, ocasionado pela quebra da safra.

O Brasil é hoje um importante produtor e exportador mundial de produtos agrícolas, sendo o maior produtor mundial de suco de laranja, café, açúcar e o segundo maior produtor de soja em grãos.. O agronegócio brasileiro representa aproximadamente 40% das exportações do Brasil. Abaixo segue calendário agrícola brasileiro.

Visão Geral da Indústria de Fertilizantes

Os fertilizantes são compostos minerais ou orgânicos que visam suprir as deficiências em substâncias vitais à sobrevivência dos vegetais, aplicados na agricultura com o intuito de repor a extração realizada pela cultura, bem como aumentar a produtividade.

A indústria de fertilizantes destina-se basicamente à produção e comercialização de complementos aos nutrientes minerais encontrados no solo, indispensáveis ao crescimento e desenvolvimento das plantas, os quais atuam no crescimento dos vegetais juntamente com a luz solar, gás carbônico e água. A produção de fertilizantes está diretamente ligada à produção agrícola, e à disponibilidade de Matérias-Primas Básicas produzidas a custos economicamente viáveis.

- Nutrientes Essenciais: Nutrientes essenciais são aqueles que são imprescindíveis para que uma determinada planta complete seu ciclo de vida, afetando diretamente a sua produtividade. Dentre os nutrientes mais importantes encontrados na natureza e necessários ao desenvolvimento de plantas destacam-se: (i) macronutrientes primários: N (nitrogênio), P (fósforo) e K (potássio), os quais, quando misturados, passam a ser também conhecidos como fórmulas NPK; (ii) macronutrientes secundários: Cálcio (Ca), Magnésio (Mg) e Enxofre (S); e (iii) micronutrientes: Boro (B), Cloro (Cl), Cobre (Cu), Ferro (Fe), Manganês (Mn), Molibdênio (Mo), Zinco (Zn), Cobalto (Co), Silício (Si) e outros elementos que a pesquisa científica vier a definir, expressos nas suas formas elementares.

- Classificação dos Fertilizantes: Os fertilizantes são classificados quanto à natureza da sua composição, à quantidade de nutrientes que o compõem e quanto ao tipo de macronutriente primário que o caracteriza.

Abaixo, quadro explicativo sobre a produção dos fertilizantes, desde a extração das Matérias-Primas Básicas:

Principais Fatores de Crescimento no Brasil e no Mundo

O setor de fertilizantes é um dos setores de maior crescimento mundial, e, no Brasil, superou de maneira consistente o crescimento nos demais países do mundo nos últimos anos, conforme dados da IFA. Os principais fatores que influenciam o crescimento da demanda por fertilizantes estão descritos abaixo.

- Crescimento populacional e disponibilidade limitada de terras agricultáveis: Segundo dados da ONU, estima-se que a população mundial crescerá aproximadamente 75,0 milhões de consumidores de alimentos por ano. Como resultado desse aumento da população, a quantidade de terras agricultáveis vem diminuindo, tornando necessário que as terras cultiváveis passem a ser utilizadas de forma mais produtiva, de forma a aumentar a rentabilidade das culturas, o que só será possível com o auxílio de fertilizantes aliado as outras tecnologias. Sendo assim, em razão dos níveis historicamente baixos de estoques de grãos no mundo, espera-se que a demanda por fertilizantes continue a crescer. Também o aumento da urbanização mundial tem contribuído para o aumento do consumo de alimentos.

- Crescimento do PIB per capita em países em desenvolvimento: A demanda por fertilizantes está intimamente relacionada à renda e ao padrão de vida da população. À medida que se eleva o nível de riqueza da população, elevam-se também o consumo de alimentos e o consumo de carne. A melhoria da qualidade dos alimentos pressupõe a produção de fertilizantes cada vez mais eficazes. A produção de calorias provenientes de carnes exige muito mais produção de grãos do que as calorias equivalentes provenientes tão somente dos grãos. Em função de tais tendências, estima-se que a produção de grãos e o consumo de fertilizantes crescerão a taxas superiores ao crescimento populacional.

- Potencial de terras exploráveis: Segundo dados da FAO, estima-se que existam aproximadamente 630 milhões de hectares de terras agricultáveis atualmente não exploradas no mundo. Prevê-se que as áreas de plantio no mundo continuarão a se expandir rapidamente, especialmente no Brasil, que é um dos maiores produtores agrícolas de grãos, cana-de-açúcar, carne, café e produtos florestais de mais baixo custo do mundo. A expansão das áreas de plantio incentiva o aumento da demanda por fertilizantes.

- Economia Agrícola: A saúde econômica dos agricultores é um fator determinante para o uso de fertilizantes, sendo o incentivo econômico para que um agricultor utilize fertilizantes, significativo. Produtores com baixas margens podem reduzir o consumo de fertilizantes, o que prejudica os níveis de rendimento. A correta aplicação de fertilizantes pode melhorar significativamente a lucratividade das lavouras. Políticas governamentais podem ajudar a incrementar a lucratividade dos produtores e, conseqüentemente, o consumo de fertilizantes nos próximos anos. Tendo em vista que agronegócio constitui uma parcela significativa da economia brasileira o governo disponibiliza aos agricultores diversas políticas de crédito, tais como Funcafé, Proger Rural e Poupança Rural, oferecendo aos agricultores maiores possibilidades de investimento em seus negócios e influenciando a aquisição de fertilizantes para melhorar a produção.

- Energia renovável: A energia renovável é um dos tópicos atualmente discutidos no setor de agronegócios em função de seu valor estratégico em todo o mundo. Ao mesmo tempo em que todos os países buscam aumentar a oferta de energia com uma concomitante redução de custos, há preocupações com questões de sustentabilidade e questões ambientais.

Um forte exemplo de fontes alternativas de combustíveis líquidos no Brasil é o etanol (uma das formas de uso da cana-de-açúcar, conforme explicado acima). Atualmente, o Brasil produz o etanol mais barato do mundo e é reconhecido pela sua tecnologia desenvolvida ao longo dos anos, onde se destaca a industria brasileira por essas melhorias.

A Indústria Brasileira de Fertilizantes

Segundo dados da ANDA, o mercado de fertilizantes brasileiro foi de foi de 29,5 milhões de toneladas em 2012. Os Estados de Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Goiás foram responsáveis por 17,8%, 13,7%, 11,8%, 12,3%, 12,0% e 8,9%, respectivamente, de suas vendas em termos de volume de mercado em 2012. O Brasil é o 4º maior consumidor mundial de nutrientes para a formulação de fertilizantes, representando cerca de 5,9% do consumo mundial, ficando atrás apenas da China, Índia e Estados Unidos.

Apesar disso, a aplicação do produto nas lavouras ainda é baixa em relação aos países com agricultura desenvolvida. No entanto, a velocidade de crescimento da demanda brasileira tem superado a taxa de crescimento mundial, mas o seu atendimento tem ocorrido via aumento das importações desse insumo dado que a indústria nacional não consegue suprir a demanda nacional que tem crescido a altas taxas.

O fato da demanda por fertilizantes crescer mais do que a capacidade produtiva nacional aumenta a vulnerabilidade do Brasil em relação às variações dos preços no mercado internacional, das taxas de câmbio, dos fretes e dos problemas logísticos dos portos brasileiros. Para que a produção interna aumente a sua participação no total das vendas, são necessários investimentos na produção (guardados os limites geológicos) e na infra-estrutura logística (transporte, armazenamento e portos).

O consumo nacional depende, principalmente, do preço recebido pelos agricultores (renda), sendo influenciado também pelo preço relativo dos fertilizantes (relação de troca), política agrícola (crédito de custeio, preços mínimos, etc), expectativa de preços futuros e evolução da tecnologia agrícola.

O Brasil tem importância no mercado mundial não só pelo volume, mas também pelo fato de sua demanda estar principalmente concentrada no segundo semestre (outros principais países compradores concentram suas compras no primeiro semestre em virtude de seus calendários agrícolas), o que lhe possibilita algum poder de barganha.

Segundo dados da ANDA, a safra 2011/2012 teve seu índice composto de crescimento anual de consumo (CAGR) de fertilizantes no Brasil, de 5% em comparação com a safra de 1969/1970. Quando usado de forma correta o fertilizantes tem muito a contribuir para o meio ambiente, pois terá uma área maior para plantio e consequentemente uma produção maior.

Consciente de seu papel na promoção de uma agricultura eficiente e sustentável, a Fertilizantes Heringer S.A. desenvolve e comercializa produtos voltados à nutrição vegetal, de forma a contribuir para a produção de alimentos suficiente para atender ao aumento populacional, como também para um maior nível de produtividade agrícola, evitando que novas áreas sejam desmatadas para serem incorporadas a atividades agropecuárias.

A indústria brasileira de fertilizantes sofreu um significativo processo de consolidação nos últimos anos, onde pequenas empresas regionais foram adquiridas, perderam participação ou saíram do mercado. Segundo a LAFIS, 48,0% do mercado de NPK em 1995 estava concentrado nas seis principais empresas do setor, e em 2008 a participação concentrada dessas seis principais empresas subiu para, aproximadamente, 86%. O crescimento da Heringer acompanhou a concentração do mercado de NPK, e estimamos estar entre as 3 maiores empresas de fertilizantes do Brasil, responsável por 16,9% de participação no mercado em 2012, sendo seus principais concorrentes a Yara/Bunge, Fertipar e Mosaic.

O gráfico abaixo mostra as principais empresas do setor dentro das fases de produção de matérias primas e das Fórmulas NPK:

O consumo de fertilizantes no Brasil é concentrado em quatro principais culturas: soja, milho, cana-de-açúcar e café. Em 2012, tais culturas representaram 74% do total de fertilizantes consumidos no País.

No Brasil, baseado em dados da ANDA, o setor de fertilizantes totalizou vendas de 29,5 milhões de toneladas em 2012.

O aumento do consumo de fertilizantes é um vetor fundamental para o aumento da produtividade agrícola. As áreas de plantio e as taxas de aplicação de fertilizantes no Brasil vêm se expandindo em decorrência dos preços dos grãos sólidos, da melhoria dos transportes e de condições de crescimento adequadas (clima e solo).

Veja ilustração abaixo, onde parte da plantação não recebeu fertilizante:

HERINGER | Copyright © 2014